sexta-feira, 16 de março de 2007

Sinceramente torci muito para o Rio de Janeiro de Bernadinho tivesse vencido logo no quarto set e assim não atrapalhar os treinos da F1, mas como Bernadinho não vence todos, ele teve que ir para o quinto set. Na hora fiquei com medo de ver os treinos atrapalhados pelo vôlei feminino, mas a SporTV me deu a enorme alegria de cortar para a Austrália e pude assistir aos treinos bem tranqüilo. Apesar de estar me deliciando vendo aquelas gostosas com roupas coladas jogando vôlei, estava com mais tesão de assistir a F1! Estava tão ancioso, que cheguei em casa quase correndo, quase às sete e meia, mesmo estando num bem bom danado minutos antes...

Só para constar: o primeiro carro a ir para a pista foi a BMW de Sebastian Vettel. A pista estava molhada e isso seria ruim, pois os carros não poderiam andar muito, mas ao contrário do ano passado, com a liberação dos motores na sexta-feira, os carros andaram à vontade e Alonso foi um dos primeiros a marcar uma volta rápida.

Lito Cavalcanti, a vários anos comentarista do SporTV, é um típico seguidor da escola inglesa de críticos de automobilismo. Lá na Inglaterra, os pilotos ingleses são deuses, infalíveis e a prova de erros. E quando errram, os comentaristas de lá tratam de maquiar, dizendo foi o carro, o pneu, outro carro, o vento, a rotação da Terra... Mas um piloto inglês errar? Nunca! E os pilotos de outros países. São bons, mas os ingleses são melhores. E se algum piloto de quaquer nacionalidade brigar com um inglês? É sujo, é um braço-duro, é um mal piloto, não é habilidoso e só ganhou do inglês por detalhes inerentes a ruindade do inglês, mas esse inglês não é ruim, só é muito técnico e além de tudo, um excelente acertador de carros.

Pois Lito trouxe essa desagradável parcialidade para o Brasil. Os pilotos brasileiros são sensacionais, nunca erram, enquanto seus rivais são umas bestas quadradas. Nessa noite, o Rubinho produziu a única bandeira vermelha dos treinos, na segunda sessão. Barrichello simplesmente colocou uma roda na grama molhada, rodou e bateu levemente na barreira de pneus. No replay por cima ficou claro. Lito na hora ficou em silêncio, pensando no que iria dizer, mas após alguns replays sem muitos detalhes, ele chegou a incrível conclusão: o carro da Honda era muito ruim, que estava saindo muito de traseira e como Rubinho estava forçando muito, acabou errando. Meu Deus do céu, eu vi até a grama molhada levantando quando Rubinho passou por cima dela antes de perder o carro.

Mas o pior tinha sido antes. Numa das primeiras aparições do Rubinho no treino, o nosso heroí Lito Cavalcanti saiu com essa: Com a saída de Michael Schumacher, Rubinho está entre os três pilotos mais rápidos da F1. E Alonso, Massa e Raikkonen? Sem comentários...

Agora vamos passar para o capítulo Massa. O brasileiro tinha acabado de marcar o melhor tempo na primeira sessão, quando Raikkonen estava na pista. Raikkonen fica em segundo, milésimos de segundo atrás do seu companheiro de equipe. Lito Cavalcanti sai comemorando: Brasil 1 a 0. Ainda bem que Sérgio Maurício estava ocupado no vôlei, pois ele concordaria. O excelente Luís Carlos Jr. baixou logo a bola do seu velho companheiro de corridas: Calma Lito, estamos só no começo dos treinos...

As transmissões da SporTV serão das mais animadas. Ah! Durante a primeira sessão, anunciaram que o Rio de Janeiro tinha vencido o quinto set.

Um comentário:

Vicente Sant'Anna disse...

vc tem um bom periodo de escrita, mas corrija os erros de portugues que sao grosseiros. No mais, tudo bem...